Aécio Neves avisa que não vai renunciar à presidência do PSDB

Contrariando a expectativa de parlamentares tucanos e da cúpula do partido, o senador Aécio Neves (MG) informou nesta quarta-feira (25) que não vai renunciar à presidência do PSDB.

Com a polêmica decisão, o senador Tasso Jereissati (CE) continuará como presidente interino do PSDB até dezembro, quando o partido realiza eleições internas em sua convenção nacional.

Aécio está licenciado do cargo no comando do partido desde maio, após as denúncias da JBS sobre pedido de R$ 2 milhões em propinas para pagar advogados em sua defesa na Lava Jato, de acordo com a denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Nas últimas semanas, diante do afastamento temporário de Aécio do Senado pela Primeira Turma do STF, tucanos vinham pressionando para que o parlamentar renunciasse ao comando do partido, com o objetivo de interromper o desgaste pelo qual o PSDB vem passando diante da imprensa e de seus eleitores.

Conselho de Ética

Nesta terça-feira (24), o presidente do Conselho de Ética do Senado, senador João Alberto (PMDB-MA), determinou o arquivamento de pedido de abertura de procedimento disciplinar contra Aécio Neves. A decisão seguiu parecer da Advocacia-Geral do Senado.

O pedido de investigação no conselho para que o colegiado avaliasse se o senador havia quebrado o decoro parlamentar foi protocolado pelo PT em 28 de setembro. A alegação do partido se baseou na denúncia apresentada pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da J&F, segundo qual Aécio teria recebido R$ 2 milhões não declarados.

No entanto, segundo o parecer da Advocacia-Geral do Senado, a “representação do PT é, no máximo, uma versão atualizada da representação do PSOL [e da Rede]” contra Aécio, que já havia sido arquivada pelo conselho em julho. “Tanto é que reproduz, ipsis litteris, um trecho da peça precursora”, segundo o órgão do Senado.

Com Agência Brasil