Gilmar Mendes nega impedimento para julgar liberdade de Eike Batista

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), rebateu, nesta terça-feira (9), os argumentos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que pediu na noite desta segunda-feira (8) o impedimento do magistrado no julgamentos de processos ligados ao empresário Eike Batista.

Gilmar Mendes argumentou que o habeas corpus que concedeu liberdade a Eike Batista não foi representado por advogado do escritório Sérgio Bermudes, onde atua a mulher do magistrado, a advogada Guiomar Mendes.

"O HC (habeas corpus) 143.247 não tem como advogado o escritório Sergio Bermudes. Não há impedimento para atuação do ministro Gilmar Mendes nos termos do artigo 252 do Código de Processo Penal. Cabe lembrar que, no início de abril, o ministro Gilmar negou pedido de soltura do empresário Eike Batista (HC 141.478) e, na oportunidade, não houve questionamento sobre sua atuação no caso", diz a nota.

>> Opinião - A gravidade da briga pública entre o MP e o STF

>> PGR nega conflito por filha de Rodrigo Janot ser advogada da OAS

>> Janot pede que Gilmar Mendes seja declarado impedido em caso de Eike Batista

Ao chegar nesta terça-feira para a sessão da Segunda Turma do STF, colegiado do qual é presidente, o ministro Gilmar Mendes não quis falar com jornalistas sobre o caso.