Belo Monte: filho de Edison Lobão é alvo de operação que investiga desvios

A Polícia Federal (PF) cumpriu nesta quinta-feira (16) mandados de busca e apreensão na sede da empresa do Banco do Brasil que administra títulos de capitalização, a Brasilcap, no Rio de Janeiro. A empresa é presidida desde setembro de 2007 por Márcio Lobão, filho do senador e ex-ministro de Minas e Energia Edison Lobão (PMDB-MA). O ex-senador Luiz Otávio de Oliveira Campos, do Pará, também é um dos alvos da operação.

Os agentes da PF também cumpriram mandados em imóveis em Belém (PA) pertencentes a Márcio Lobão. A ação faz parte da Operação Leviatã, deflagrada esta manhã para aprofundar as investigações a respeito de um suposto esquema de desvios de recursos das obras de construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte e o pagamento de propina a partidos políticos.

A investigação corre em segredo de Justiça, mas, segundo a PF, os nomes de Márcio Lobão e de outros investigados foram citados por depoentes. De acordo com os depoimentos, as empresas que participam do consórcio responsável pela construção de Belo Monte pagavam aos envolvidos 1% do valor dos contratos a título de propina.

As buscas e a apreensão de documentos considerados importantes para as investigações foram autorizadas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). Fachin assumiu a relatoria da Operação Lava Jato no último dia 2, após a morte do relator original, ministro Teori Zavascki, na queda de um avião no mar, próximo a Paraty (RJ).

Procurada, a Brasilcap se limitou a confirmar as buscas e apreensões de documentos em sua sede e a informar que está colaborando com as autoridades, prestando esclarecimentos e fornecendo todas as informações solicitadas.

A empresa disse não coadunar com qualquer tipo de ato ilegal. Sobre as denúncias envolvendo Márcio Lobão, a empresa disse que os assuntos pessoais do presidente serão tratados por seus advogados. 

Do mesmo partido do senador Edison Lobão e de outros citados no suposto esquema, o presidente do Senado Eunício Oliveira (PMDB-CE) comentou que os diversos desdobramentos da Operação Lava Jato são “um sinal de que as instituições estão funcionando”.

Investigação

Em maio de 2016, o STF autorizou abertura de inquérito para investigar Edison Lobão por desvios na obra de Belo Monte. À época do pagamento das supostas propinas ele era ministro de Minas e Energia.

Em junho, foi aberto inquérito, pelo mesmo motivo, para investigar os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Romero Jucá (PMDB-RR), Valdir Raupp (PMDB-RO) e Jader Barbalho (PMDB-PA). Essas investigações serviram de base para a Leviatã.

Com Agência Brasil