Professora da PUC-SP rebate, na Câmara, projeto de lei "Escola sem Partido"

Em depoimento nesta quarta-feira (15) na Comissão Especial da Escola sem Partido, na Câmara dos Deputados, a professora Madalena Guasco, da faculdade de Educação da PUC-SP, afirmou que não existe escola ou ensino neutro. 

“A história da educação brasileira está repleta de concepções teórico-pedagógicas, sociológicas e filosóficas, portanto, não são neutras”, disse. “Não há demérito algum quando um professor se posiciona em favor de uma teoria ou outra. Aliás, gostaria de saber de antemão qual o posicionamento da escola em que vou matricular meus filhos, qual a visão de mundo e de sociedade dessa escola", complementou Madalena, que é professora titular do departamento de Fundamentos da Educação.

Guasco afirmou que outros problemas aparecem na pesquisa do seu grupo de estudos sobre o setor: muitos alunos por sala de aula, formação de professores, falta de professores e teorias educacionais, entre outros. “Desafio alguém a me trazer uma tese de mestrado ou doutorado séria que aponte isso como problema”, completou.

Para a professora, a ciência é feita de debate, de contradição, da contraposição de determinadas concepções que fazem parte de um momento histórico. Ela também questionou o conceito de “estudante tábula rasa”, pois "parte do pressuposto de que o professor é manipulador”.

Ela citou a seguinte frase de Paulo Freire: "Não basta saber ler que 'Eva viu a uva'. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho." Guasco concluiu que “nem na alfabetização podemos ensinar sem explicar o sentido”.

Com Agência Câmara