Em meio à crise, secretário de Administração Penitenciária do AM deixa o cargo

O governo do Amazonas anunciou hoje (13) a troca de comando na Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). O novo secretário é o tenente-coronel da Polícia Militar, Cleitman Rabelo Coelho. Ex-comandante do Policiamento Especializado, ele assume a pasta em meio à crise no sistema penitenciário do estado, menos de duas semanas depois da morte de 60 presos em presídios do Amazonas.

Rabelo Coelho entra no lugar de Pedro Florêncio no comando da Seap. De acordo com o secretário de Segurança Pública do estado, Sérgio Fontes, Florêncio deixou a secretaria por iniciativa própria. “Ele está sendo exonerado porque ele pediu para sair. Eu quero deixar consignada a minha amizade, o meu respeito e a minha confiança ao doutor Florêncio. Ele é um homem de bem”, disse Fontes.

O secretário também destacou a experiência do novo titular da Seap. “ É um oficial preparado, tem minha confiança e meu respeito, porque assumir essa secretaria neste momento é uma coisa muito complicada”.

>> Sistema penitenciário "vai viver de massacre em massacre"

>> 'Clarín': Sistema carcerário favorece criminalidade

>> 'Le Monde' destaca precariedade dos presídios no Brasil

>> Anistia Internacional e juízes criticam Estado brasileiro por mortes em Manaus

Problemas em presídios são reflexo social do Brasil, afirma sociólogo

Em entrevista ao Jornal do Brasil, o professor de Sociologia da UFRJ Michel Misse destacou que os problemas sociais do país se agravam dentro das penitenciárias como "resultado de uma acumulação social da violência". “Existe uma situação estrutural já de décadas. Na atual conjuntura, isso se agrava”, afirmou Misse.

“Se o Estado brasileiro quando não estava em crise não foi capaz de resolver o problema, como é que ele vai ser capaz de resolver agora?”, acrescentou o professor, acrescentando: “Essas facções, desde as primeiras que surgiram nos anos 80, se alimentam da falta de presença efetiva do Estado na garantia dos direitos dos presos. Elas oferecem ao preso o que o Estado não consegue oferecer. A facção oferece proteção aos familiares, transporte quando o presídio fica muito distante, advogado, e às vezes até emprego. A facção ocupa os espaços deixados pelo Estado”, enfatizou o sociólogo.

Com Agência Brasil