Lava Jato: delações da Odebrecht adiam acordos de outras empreiteiras

Foi necessária uma força-tarefa do MPF para coletar 800 depoimentos

A importância e o volume de informações das delações de executivos da Odebrecht, na Operação Lava Jato, está mudando até o calendário das investigações. Negociações de acordos já em andamentos foram adiados para fevereiro, como a do ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, e o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. As informações são do Estado de S. Paulo.

Um mutirão foi necessário para que o Ministério Público Federal (MPF) pudesse fazer a coleta dos depoimentos de 77 executivos. A expectativa é de que 200 políticos sejam citados.  Ao todo, foram acionados mais de cem procuradores em 30 cidades, que colheram cerca de 800 depoimentos.

>> Acordo de leniência da Odebrecht e Braskem nos EUA aponta políticos e executivos

>> Documentos da justiça dos EUA revelam que Odebrecht tentou apagar provas

>> Polícia do Equador faz busca e apreensão em escritório da Odebrecht

>> Sete países da América Latina investigam propina da Odebrecht