'Mexemos com temas aparentemente polêmicos', diz Michel Temer

Peemedebista faz balanço dos sete meses de governo em café com jornalistas

Michel Temer fez um balanço dos sete meses de governo desde a retirada de Dilma Rousseff da presidência, em café da manhã com jornalistas na manhã desta quinta-feira (22). Na ocasião, além de anunciar mudanças no saque de FGTS e no cartão de crédito, o peemedebista ressaltou que foi preciso "cortar na própria carne" ao propor a medidas como a do teto de investimentos públicos. "Mexemos com temas aparentemente polêmicos."

Para Michel Temer, outro grande tema nacional deste ano foi a reforma da previdência. Ele defendeu que esta deveria se chamar ainda "em nome do filho", já que a intenção seria garantir o pagamento de pensões previdenciárias no futuro. 

Temer citou ainda a repatriação de recursos que estavam no exterior, pleiteados por estados e municípios. O resultado será dividido para dar folga aos estados e municípios, repartindo o produto da multa para "reformar a federação brasileira".

As mudanças no marco regulatório do pré-sal também foram defendidas, como forma de possibilitar que a Petrobras examine em qual atividade de exploração ela quer entra.

Os cortes de pessoal do Banco do Brasil também ganharam destaque. O presidente disse que o corte de 9,2 mil cargos por meio de programa de demissão voluntária deve possibilitar que que R$ 2,4 bilhões sejam economizados ao longo dos anos.

Temer citou o Bolsa Família, que foi revalorizado em 2,5%, o que significaria mais de R$ 300 milhões que circularão na economia.; o cartão reforma, que traz a possibilidade para quem ganha menos de R$ 1,8 mil de obter na Caixa Econômica Federal o recurso de R$ 5 mil, a fundo perdido, para reformar a casa; e a provável implantação de regularização fundiária nas cidades, e entrega de títulos para assentados no campo, após a reforma agrária.