Para poupar Temer, acordo no TSE deve separar chapa vitoriosa em 2014

Para evitar a cassação do presidente Michel Temer, está sendo construído nos bastidores do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um acordo para separar as contas de campanha da ex-presidente Dilma Rousseff e de seu então vice.

A tentativa de separação vem no momento em que avançam na corte as investigações nos processos que pedem a cassação da chapa vitoriosa nas eleições presidenciais de 2014. As informações são do jornal Valor Econômico em sua manchete de capa desta quinta-feira (3).

>> Veja a reportagem

Para que a proposta de separação seja aceita, é necessário que pelo menos quatro dos sete ministros titulares que compõem o TSE acatem o pedido da defesa de Temer. Três magistrados já se mostram dispostos a votar a favor da tese de que Temer e Dilma deveriam responder a processos diferentes.

Os ministros Gilmar Mendes - presidente do TSE - e Luiz Fux consideram possível a separação. Outros ministros, segundo o Valor, são contrários à divisão de responsabilidades e afirmam que nunca houve precedentes para este tipo de separação em outras ações da Justiça Eleitoral.

Novas informações sobre as movimentações financeiras das empresas investigadas no processo e um possível crescimento da deterioração do cenário político são dois fatores que podem influenciar na decisão sobre a cassação da chapa.

O tribunal também pode decidir por uma punição mais branda para Temer. Nesse caso, não haveria cassação, apenas sanções menores, como multas.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais