Lava Jato: STF decide dividir principal inquérito 

Ex-presidente Lula, cunha e Renan passam a ser alvo em uma das investigações

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki determinou, nesta quinta-feira (6), a divisão em quatro inquéritos da maior investigação da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Ela apura a suposta participação de políticos e empresários em fraudes na Petrobras.

A decisão foi tomada após pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Com a divisão, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva passa a ser alvo de um dos inquéritos, assim como o deputado cassado e ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

O procurador-geral Rodrigo Janot argumentou, ao pedir o fatiamento da investigação, que PP, PT e PMDB se organizaram internamente para cometer crimes contra a administração pública, e seria necessário fazer a divisão para otimização do esforço investigativo.

Janot reforça no pedido: "Os elementos de informação que compõem o presente inquérito modularam um desenho de um grupo criminoso organizado único, amplo e complexo, com uma miríade de atores que se interligam em uma estrutura com vínculos horizontais, em modelo cooperativista, em que os integrantes agem em comunhão de esforços e objetivos, e outra em uma estrutura mais verticalizada e hierarquizada, com centros estratégicos, de comando, controle e de tomadas de decisões mais relevantes."

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais