'El País': Temer se beneficia de humilhação sofrida pelo PT nas urnas

Reportagem analisa resultado de eleições municipais do Brasil

Matéria publicada nesta segunda-feira (3) pelo jornal espanhol El País analisa que as eleições municipais do Brasil que aconteceram neste domingo (2) levaram os eleitores a decidir por mais de 5.000 prefeitos, em um dia marcado pelos ecos da crise política que afligem o país e a tensão decorrente da recente onda de violência, especialmente na cidade de São Luís do Maranhão (nordeste). Basta dizer que, após a expulsão de Dilma Rousseff, o presidente Michel Temer, para evitar protestos planejados em uma universidade particular de São Paulo, onde foi votar, compareceu três horas antes do que avisou à imprensa -na verdade, ele abriu o colégio eleitoral e, assim, driblou o esculacho de alunos que planejavam cumprimentá-lo com gritos de "golpista" e "fora Temer". E, no entanto, apesar de sua baixa popularidade (apenas 14% aprovam segurando a presidência), Temer encontrou nos resultados destas eleições um visível apoio.

> > El País Brasil castiga en las municipales al partido de Lula y Rousseff y a la política tradicional

A reportagem do El País observa que indiretamente, beneficia Michel Temer a humilhação sofrida pelo Partido dos Trabalhadores (PT) dos ex-presidentes Lula e Dilma. O grupo formado pela maior esquerda da América do Sul luta para permanecer vivo depois de ser deposto, enquanto o país está afundando em uma grave crise devido ao escândalo de corrupção da Petrobras. Em São Paulo, este descalabro foi especialmente doce para Temer: a cidade deu uma vitória esmagadora ao Partido da Social Democracia Brasileira, liderado por João Doria Jr., um homem de negócios conservador cuja campanha foi particularmente baseada em ressentimento contra os políticos tradicionais. Com mais de 53,2% dos votos, Doria, que apoiou Temer durante o impeachment, nem precisou enfrentar o segundo turno.

El País aponta que no Rio de Janeiro a grande surpresa fica por conta de Marcelo Freixo, candidato do Partido do Socialismo e Liberdade (PSOL), que se reflete na esquerda, recebendo os votos necessários para enfrentar o conservador bispo Marcelo Crivella, do PRB.

O jornal espanhol acrescenta que não há um levantamento preciso de quantos políticos com problemas judiciais participaram ou foram eleitos neste pleito. Ao fazer um levantamento caso a caso, a ferramenta Atlas Político é a que mais se aproxima da resposta, mas não consegue chegar a um número preciso pela falta de transparência do sistema Judiciário.