Um dia após eleições, Temer inicia viagem à Argentina

Presidente também passará por Paraguai e se reunirá com líderes

O presidente Michel Temer embarca nesta segunda-feira (3) para sua primeira visita a Argentina desde que assumiu a Presidência, em agosto. Temer será acompanhado por quatro ministros: das Relações Exteriores, José Serra, do Desenvolvimento, da Indústria e do Comercio Exterior, Marcos Pereira, da Justiça, Alexandre de Moraes, e da Defesa, Raul Jungmann.    

Durante a rápida passagem por Buenos Aires, o mandatário brasileiro vai participar de um almoço com o presidente argentino, Mauricio Macri. Em seguida, irá ao Paraguai, onde jantará com o líder Horácio Cartes.    

A Argentina e o Paraguai foram os primeiros países a reconhecer o governo Temer, além de serem parceiros do Brasil no Mercosul.    

Entre os temas que deverão ser abordados com Macri, estão a atual situação interna do Mercosul, acordos internacionais do bloco sul-americano e a Ata Para Integração Brasileiro-Argentina, acordo assinado em 1986 que trata da integração e cooperação entre os países.    

Em sua passagem por Assunção, logo depois de encontrar com Macri, Temer se reunirá com o presidente paraguaio e falará sobre a retomada do crescimento econômico na região e do combate ao narcotráfico e ao contrabando na Tríplice Fronteira.    

Além disso, a Venezuela pode estar na pauta da viagem, já que os três governos se juntaram para impedir que os venezuelanos assumissem a Presidência rotativa do Mercosul, com alegação de que o país não cumpriu os requisitos para se tornar membro pleno do bloco. Antes de chegar à Argentina, Temer foi entrevistado pelos principais jornais do país e afirmou que não tem uma "preocupação eleitoral". "Se eu chegar ao final do meu governo com 5% de popularidade, mas tendo conseguido colocar o país nos trilhos, me dou por satisfeito", disse.    

O chefe de Estado também disse que o mais importante é obter o apoio do Congresso para aprovar as medidas econômicas necessárias.    

A viagem de Temer acontece um dia após as eleições municipais no Brasil, marcadas por um dura derrota ao PT.