BC bloqueia mais de R$ 30 milhões de Antonio Palocci

O Banco Central informou à Justiça Federal, nesta quarta-feira (28), que o ex-ministro Antonio Palocci teve R$ 814.648,45 bloqueados em três contas bancárias, e mais R$ 30 milhões de sua empresa de consultoria. Palocci foi alvo da 35ª fase da Operação Lava Jato, na qual foi preso, temporariamente, na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O ex-ministro é suspeito de receber propina da Odebrecht para atuar em favor da empresa, entre 2006 e 2013, interferindo em decisões do governo federal.

A 35ª fase da Lava Jato prendeu também Juscelino Antônio Dourado, ex-secretário da Casa Civil, e Branislav Kontic que atuou como assessor na campanha de Palocci em 2006. Na ocasião, o juiz Sérgio Moro também determinou também o bloqueio de até R$ 128 milhões de Palocci, Dourado e Branislav. A medida atingia também as contas das empresas Projeto Consultoria Empresarial e Financeira Ltda e J&F Assessoria Ltda, que foram citadas nesta fase.

Quando determinou o bloqueio de R$ 128 milhões, Moro argumentou em seu despacho que a medida apenas gerava o bloqueio do saldo do dia constante nas contas ou nos investimentos, "não impedindo, portanto, continuidade das atividades das empresas ou entidades, considerando aquelas que eventualmente exerçam atividade econômica real. No caso das pessoas físicas, caso haja bloqueio de valores atinentes a salários, promoverei, mediante requerimento, a liberação."

>> Sérgio Moro decreta bloqueio de até R$ 128 milhões da conta de Antonio Palocci

>> Palocci defendia interesses da Odebrecht junto à administração federal, aponta PF