Casos de latrocínio em São Paulo sobem 40% em julho

O número de casos de latrocínio – roubo seguido de morte – aumentou 40% no estado de São Paulo em julho em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo dados divulgados quinta-feira (25) pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). Em julho deste ano foram 35 casos, ante 25 registrados em julho de 2015.

O número de homicídios dolosos subiu 5,45% e os registros de estupros caíram 1,5% na comparação com julho do ano passado.

O secretário da SSP, Mágino Alves Barbosa Filho, comentou a variação dos índices de homicídio e de estupro. “Da mesma forma que eu posso afirmar que esse aumento de casos de homicídios não representa, em hipótese alguma, uma tendência de aumento de homicídios do estado, eu também tenho o dever de afirmar que essa redução nos casos de estupro não representa uma tendência de redução”, avaliou.

Segundo ele, os casos de estupro têm aumentado ao longo deste ano e só houve dois meses em que não ocorreram esses aumentos. “Para isso, vale toda aquela recomendação que eu venho fazendo ao longo deste ano no sentido de que é necessário cada vez mais que as vítimas reportem os casos à autoridade policial para que a gente possa mapear da melhor forma possível essas lamentáveis ocorrências e possa combater de forma eficaz esse crime tão grave”, disse o secretário.

No acumulado do ano, de janeiro a julho, o número de latrocínios caiu 2,48% em relação ao mesmo período de 2015. O homicídio doloso, na mesma comparação, caiu 8,6% e os estupros aumentaram 3,66%.

As polícias do estado bateram recorde no número de prisões realizadas de janeiro a julho, chegando a 111.605 detenções. Na comparação com o mesmo período do ano passado, houve aumento de 6,85%. Na comparação mensal, o aumento foi de 0,16%, atingindo 15.594 prisões, o maior resultado da série histórica.

Crimes contra o patrimônio

O número de roubos de veículo em julho no estado de São Paulo aumentou 5,72% na comparação com o mesmo mês no ano passado, mas recuou 1,55% se considerado o período acumulado, de janeiro a julho.

Já os roubos a banco se mantiveram estáveis, em 14 casos, na comparação mensal. Já no acumulado do ano, o índice caiu 25,47%, passando de 106, em 2015, para 79 casos em 2016. Os roubos em geral aumentaram 1,74% no mês e 5,05% no acumulado do ano.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais