'WSJ': Dilma Rousseff diz que o processo que enfrenta tem razões “políticas” 

Matéria conta que a carta da presidente afastada foi lida no Senado

Matéria publicada nesta quinta-feira (7) no The Wall Street Journal conta que uma carta enviada por Dilma Rousseff foi lida na quarta (6) na comissão do impeachment do Senado por seu advogado, José Eduardo Cardozo. Ela disse que o processo que enfrenta tem razões “políticas.” 

Para Dilma Rousseff, as chamadas pedaladas fiscais eram “atos de rotina da gestão”. Ela também disse que não partiu dela a decisão para atrasar os repasses ao Banco do Brasil no Plano Safra, diz o texto do The Wall Street Journal.

Na carta, Dilma disse: “nunca, em nenhum país democrático, o mandato legítimo de um presidente foi interrompido por causa de atos de rotina da gestão orçamentária. O Brasil ameaça ser o primeiro país a fazer isto.”

> > > The Wall Street Journal Brazil’s Rousseff Vows to Fight On

Além disso, a presidenta afastada afirmou: “não nego que tenha cometido erros, e por eles certamente sou e serei cobrada, mas estou sendo perseguida pelos meus acertos.”

Por fim, a presidenta disse que “[no processo de impeachment] partiu do desejo claro de que, por razões puramente políticas, houvesse o meu afastamento da Presidência da República, para então passar-se a procurar, de forma ávida, quaisquer pretextos jurídicos que pudessem justificar, retoricamente, a consumação desta intenção.”