Gilmar Mendes autoriza inquérito para investigar Aécio Neves

Senador tucano teria participado de esquema de corrupção em Furnas

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de um inquérito para investigar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) por supostas irregularidades na estatal Furnas, empresa brasileira de economia mista subsidiária da Eletrobras.

O senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), em acordo de delação premiada, denunciou que o tucano foi beneficiário de corrupção na estatal. O esquema teria sido coordenado por Dimas Toledo, aliado de Aécio, e ex-diretor de Engenharia da Furnas.

O ministro do STF também autorizou, a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o desarquivamento da citação feita pelo doleiro Alberto Yousseff. 

Yousseff afirmou, também em delação, que Aécio se beneficiou de propinas pagas pela empresa Bauruense, que prestava serviços a Furnas. A irmã de Aécio, Andrea Neves, intermediava o suposto pagamento.

Mendes foi escolhido como relator após o ministro Teori Zavascki entender que a investigação não tinha relação com a Operação Lava Jato e enviar o pedido para o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, que realizou novo sorteio de relator.

Em nota oficial enviada à imprensa, Aécio Neves afirmou que as investigações vão demonstrar a falsidade das alegações:

"Quando uma delação é homologada pelo Supremo Tribunal Federal, como ocorreu com a delação do ex-senador Delcídio Amaral, é natural que seja feita a devida investigação sobre as declarações dadas. Trata-se de temas que já foram analisados e arquivados anteriormente. O senador Aécio Neves tem convicção de que, como já ocorreu no passado, as investigações irão demonstrar a falsidade das citações feitas".