'The Guardian' critica linha de sucessão a presidência do Brasil

Dois dos cinco devem ser suspensos até amanhã e os outros dois estão sob investigação

O jornal britânico The Guardian publicou nesta quarta-feira (11) uma matéria sobre a linha de sucessão á presidência do Brasil, no caso do afastamento da presidente Dilma Rousseff, que esta sendo decidido nesta tarde pelo Senado. 

Segundo o Guardian, se a suspensão de Dilma for a diante, a linha de sucessão presidencial não transmite nenhuma tranquilidade aos brasileiros.  

A linha seria esta:

> Presidente

> Vice presidente

> Presidente da Câmara Baixa

> Presidente do Senado

> Supremo Tribunal de Justiça

Mas o jornal britânico lembra que a situação hoje é a seguinte:

Presidente: Dilma Rousseff

Senado votará nesta quarta-feira (11) se a presidente terá que se afastar e ir a julgamento por "crimes de responsabilidade".

Vice-Presidente: Michel Temer

Acusado e multado,  provavelmente vai formar um governo amanhã, mas ele está enfrentando processo de impeachment sob as mesmas acusações de Dilma. Ele também está sendo investigado por envolvimento em duas transações da Lava Jato.

Presidente da Câmara: Eduardo Cunha

Suspenso. Ele foi destituído de seu cargo na semana passada pelo Supremo Tribunal, por ter utilizado seus poderes para obstruir a investigação Lava Jato. Ele também enfrenta acusações de suborno e perjúrio. Seu substituto, orador interino Waldir Maranhão também está sob investigação por receber subornos, e anunciou que em breve se afastará. 

Presidente do Senado: Renan Calheiros

Ele está sendo acusado e investigado por participação na operação lava-jato e nesta quarta-feira (11) é o responsável por presidir a sessão de votação de impeachment.

Supremo Tribunal de Justiça: Ricardo Lewandowski 

Este não está sob investigação, mas o seu mandato termina em setembro, quando ele deverá ser substituído por Carmen Lucia.

Conclusão: dois dos cinco devem ser suspensos até amanhã, outros dois estão sob investigação, e o potencial sucessor final é um juiz que está prestes a ser substituído. 

Para ler matéria original, clique aqui:

https://www.theguardian.com/world/live/2016/may/11/dilma-rousseff-impeachment-brazil-senate-vote