Cunha nega interferência em anulação de impeachment

Deputado chamou decisão de Waldir Maranhão de "absurda"

Por meio de uma nota, o presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, chamou de "absurda e irresponsável" a decisão de seu substituto interino, Waldir Maranhão, de anular a votação do impeachment de Dilma Rousseff.

Segundo o comunicado, a medida foi tomada "à revelia do corpo técnico da Casa", que já tinha manifestado a posição de negar conhecimento ao recurso impetrado pela Advocacia-Geral da União. Além disso, Cunha disse que iria assinar a decisão da Câmara no dia de seu afastamento.

"Condeno as insinuações de qualquer natureza publicadas por jornalistas inescrupulosos de qualquer participação minha no episódio", acrescentou o peemedebista, fazendo referência aos rumores de que estaria por trás da anulação, como uma forma de pressionar a oposição e o próprio PMDB a não abandoná-lo.