'El País': Polarização política piora e eleva medo de enfrentamento nas ruas

Após depoimento de Lula, atos pró e contra PT ganham força. Rousseff pede "tolerância" e "união"

Matéria publicada nesta quarta-feira (9) no El País, comenta que a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela Polícia Federal na última sexta-feira (4) aumentou o clima de polarização política vivido no Brasil. A adesão às manifestações pró-impeachment, marcadas há um mês para o próximo domingo 13/03, ganharam mais fôlego, assim como os protestos em defesa de Lula e do PT, que prometem estourar pelo país. 

Segundo a reportagem, o medo de enfrentamento entre os dois grupos preocupa o Governo Dilma Rousseff, que nesta terça-feira (8) fez um apelo pela “unidade” do país e disse que os Governos precisam de “paz”.

"No momento em que nós vivemos, mais uma vez, é necessário que a gente repita a importância da tolerância", afirmou a presidenta durante discurso em Brasília. Aparentando cansaço, Rousseff afirmou ainda que a crise pela qual sua gestão passa só será superada caso tenha tranquilidade para governar. "Governos precisam de paz, para que nós possamos ter condições de enfrentar a crise e de retomar o crescimento".

Também nesta terça-feira (8), o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que faz parte do partido oposicionista PSDB, afirmou em uma entrevista à rádio Jovem Pan que não permitirá que os manifestantes pró-Lula ocupem a avenida Paulista no domingo, onde ocorrerá o protesto dos que são contra Rousseff. 

“Havia uma solicitação para ter outra manifestação no sentido contrário e nós dissemos que no mesmo local não pode. Esse pleito a favor do impeachment, contra a corrupção, já estava agendado há mais de um mês”, afirmou ele. “A situação política agravou-se ainda mais no país. Domingo estamos preparados a oferecer toda a segurança para que as pessoas possam se manifestar.”

Desde a última sexta-feira (4), quando Lula foi conduzido para a sede da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas para prestar esclarecimentos por suspeitas de envolvimento com desvios da Petrobras, a adesão às manifestações que pedem a saída de Rousseff, afilhada política de Lula, aumentou. 

No entanto, o levantamento, feito a pedido do Governo federal, mostra que a adesão é menor do que a do protesto feito no mesmo mês do ano passado, que reuniu quase um milhão de pessoas. A última, feita pelo mesmo grupo em 16 de dezembro passado, já havia sido bem menor.

Texto traduzido e baseado em matéria do jornal El País. Para ler na íntegra, basta acessar o link abaixo:

https://internacional.elpais.com/internacional/2016/03/08/actualidad/1457471624_673376.html

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais