'El País': PMDB anti-Dilma quer usar ação da Lava Jato para defender rompimento

Serão decisivos comportamento de Temer e Renan

Matéria publicada nesta quarta-feira (16) no jornal El País, fala que engana-se quem pensa que o Planalto só tem motivos para comemorar as operações da Polícia Federal desta terça-feira (15), que colocaram contra a parede o inimigo declarado do Governo: Eduardo Cunha. A operação Catilinárias, voltada contra alvos da Lava Jato com foro privilegiado, mirou não apenas on presidente da Câmara, mas também em ministros do PMDB e políticos ligados ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), aliado do Planalto. Se por um lado as ações da PF podem precipitar a derrocada de Cunha, principal artífice do impeachment de Dilma Rousseff e grande alvo das operações desta terça (15), a Catilinárias tem potencial de imprimir mais força aos que defendem que a maior bancada do Congresso fique definitivamente fora do Governo, e contra ele.

A reportagem conta que neste momento, é o vice-presidente Michel Temer quem reforça seu papel como grande liderança do PMDB e com poder para definir a questão. Ao contrário de Cunha e Renan, não pesam contra ele denúncias da Lava Jato. Um termômetro disso foi a agenda de Temer nesta terça (15). Ele se reuniu com as duas alas do partido: tanto a que defende a saída de Dilma Rousseff como os que querem a permanência no Governo. Em sua diatribe contra o Planalto, Cunha afirmou, como esperado, que “o PMDB tem que decidir rapidamente a sua saída" da base. Mais tarde, foi a vez da Fundação Ulysses Guimarães, influente e ligada ao PMDB, entregar carta a Temer que "traz conteúdo de apoio ao vice-presidente em reafirmar a independência do PMDB ao formular caminhos que devem ser adotados para o bem estar da nação”, informou-se no Twitter oficial da organização.

O que está em jogo são os próximos passos do partido. Temer, que também preside o PMDB, reúne nesta quarta (16) a executiva do partido em meio à expectativa de parte da legenda de que a operação da Polícia Federal ajude a antecipar a convenção nacional do partido, que estava prevista para março, com o objetivo justamente de discutir uma reforma definitiva da legenda.