CPI dos Crimes Cibernéticos pede prorrogação dos trabalhos

A CPI dos Crimes Cibernéticos pode ter seus trabalhos prorrogados. A presidente da comissão, deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), apresentou requerimento solicitando ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, mais 60 dias de funcionamento, além do prazo inicial, para a elaboração do relatório.

"Teríamos que finalizar a CPI no começo do mês de dezembro. Mas conversando com o relator e com os sub-relatores, vimos a necessidade de pedir mais tempo, para que o relatório final atenda tudo o que essa CPI espera", justificou a deputada.

Novas audiências

Além do requerimento de prorrogação, a CPI dos Crimes Cibernéticos aprovou oito requerimentos nesta quinta-feira (5). Dois deles convidam a atriz Taís Araújo e o jogador de futebol Michel Bastos, do São Paulo, para falar dos casos de injúria racial de que foram vítimas em comentários nas redes sociais. Também será convidada a procuradora da República, Priscila Schreiner, para falar sobre as acusações de assédio sexual divulgadas na mídia ligadas a uma criança que participa do programa de televisão MasterChef Junior.

A CPI também decidiu convocar o especialista em Segurança da Informação Arthur César Oreana para colaborar com a sub-relatoria sobre os crimes praticados contra crianças e adolescentes no ambiente virtual.

Ausência da depoente

Na reunião desta quinta, não houve o depoimento previsto da dona da agência de comunicação Pepper Interativa, Renata Fonteles. Ela não compareceu e, por meio de seu advogado, alegou que não tinha condições psicológicas de comparecer à audiência pública da CPI de Crimes Cibernéticos. A empresa de Renata é suspeita de receber R$ 15 milhões do PT em transações suspeitas, segundo apurou a revista Época.