Documentos mostram uso de offshore por Cunha na Suíça

Procuradoria Geral da República avalia os extratos encaminhados pelo MP da Suíça

Conforme mostram os extratos bancários da Suíça, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fez o uso de empresas offshore para realizar movimentações de contas bancárias na Suíça. Os documentos bancários foram enviados ao Brasil, e confirmam o depoimento do lobista João Augusto Rezende Henriques, um dos operadores do PMDB na Petrobras, que alegou a existência de contas controladas por cunha no país Europeu.

A Procuradoria Geral da República (PGR) recebeu do Ministério Público (MP) da Suíça um procedimento aberto no país europeu para investigar Eduardo Cunha devido suspeitas de lavagem de dinheiro e corrupção. As investigações tiveram início em abril e os órgãos, suíço e brasileiro, concordaram que a possibilidade do deputado ser punido no Brasil é maior.

Até o momento, já se sabe que o depoimento do lobista do PMDB é verdadeiro e que as contas pertencem a empresas offshore vinculadas à Cunha. Os extratos bancários enviados pela Suíça estão sendo avaliados pela PGR.

A esposa e uma filha do presidente da Câmara também controlariam contas na Suíça, onde estão depositados e bloqueados uma quantia de aproximadamente US$ 5 milhões. Essas empresas offshore costumam ser abertas em paraísos fiscais para esconder os verdadeiros beneficiários dos negócios.

A PGR deve abrir um novo inquérito para investigar Eduardo Cunha a partir da chegada do procedimento de investigação, iniciado pelo Ministério Público da Suíça. Dependendo do andamento da investigação, em caso de estar em fase avançada, por estar sendo feito desde abril, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, poderá oferecer a denúncia diretamente ao Supremo Tribunal Federal.

*Por Stefano Miranda