Padilha diz que governo vai enfrentar 'pautas-bomba' no Congresso

Após reunião da coordenação política, ministro afirmou que Planalto não vai fugir do embate político

O ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, disse nesta segunda-feira, após reunião da coordenação política, que o governo não vai fugir do embate político no Congresso e enfrentará as chamadas "pautas-bomba", como por exemplo o projeto que muda a correção dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), passando de 3% para cerca de 6%. "Temos que agir agora para que tenhamos condições, politicamente, de fazer com que a base, que é numericamente muito vantajosa, se posicione de forma majoritária nessas votações. Vamos para o embate político", garantiu Padilha.

Segundo o ministro, o governo também vai enfrentar a votação do projeto que reduz as desonerações na folha de pagamento, além da redução da maioridade penal e o financiamento privado de campanhas eleitorais.

Eliseu Padilha disse ainda que algumas pautas-bomba podem ter efeitos por muito tempo, e não só no governo Dilma. "Queremos mostrar que a pauta-bomba não destrói o governo. Ela destrói é a expectativa positiva de todos os brasileiros", disse.

Segundo Padilha, durante a reunião de coordenação política, os ministros analisaram “o que virá” no início do segundo semestre no Congresso Nacional e assistiram a uma apresentação do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, sobre a revisão da programação fiscal do governo. 

>> Câmbio tende a se estabilizar e inflação, a cair em 2016, diz Nelson Barbosa

Criação de CPIs

O ministro da Aviação Civil também comentou sobre a criação de CPIs anunciadas pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e disse que o governo está tranquilo. "Teremos CPIs. E é novidade? Quantas CPIs temos em andamento neste momento? CPI sempre é feita contra o governo, não tem CPI a favor de governo”, disse.

>> Dilma reunirá governadores para discutir ajuste de contas e mudanças no ICMS

Encontro com governadores

A presidente Dilma Rousseff vai se reunir com governadores de estados de todas as regiões do país para discutir a governabilidade, o ajuste nas contas públicas diante das perdas de arrecadação e temas como a reforma do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

De acordo com o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, um dos principais articuladores políticos do governo, o encontro deve ocorrer nesta semana, mas ainda não está definido se os governadores serão recebidos em grupos, de acordo com a região, ou em uma reunião ampliada.

“Os governadores fizeram reuniões regionais com posições para trazer ao governo central a preocupação com a governabilidade. Por óbvio, esta é uma preocupação do poder central, do Executivo federal. Então, há uma conjugação de interesses, uma coincidência de interesses, e a primeira reunião deve ocorrer nesta semana”, disse Padilha.