Base aliada defende redução da meta de superávit como exceção

O deputado Sílvio Costa (PSC-PE) defendeu a redução da meta de superávit como medida temporária, e lembrou que apenas em desonerações a setores econômicos foram R$ 76 bilhões em impostos que deixaram de ser recolhidos. “Em sua maioria são médias e pequenas empresas beneficiadas, e o PAC, que já consta da redução da meta de superávit teve incremento de 47% nesse ano”, disse.

A meta inicial de superávit seria de R$ 116,1 bilhões em 2014, mas uma regra já em efeito na LDO permite redução dos investimentos do PAC, o que na prática representa uma meta de R$ 49,1 bilhões. 

O deputado Vicentinho (PT-SP) lembrou que os estados e os municípios vão precisar fazer metas menores de superávit em 2014, e não estão de acordo com a oposição dos deputados que querem a todo custo ignorar a crise por que passa o mundo. “Dos 20 maiores países do mundo, 17 vão adotar déficit em 2014, e nosso governo vai fazer superavit de R$ 10 bilhões. Será menor do que o programado, mas ainda é uma demonstração de responsabilidade”, disse. 

De fato, 15 estados em 2013 não cumpriram suas metas de superavit, e o deputado lembrou que Minas e São Paulo, estados governados pelo PSDB, alteraram suas metas, assim como o governo federal, para que uma meta menor fosse cumprida. “O próprio presidente Fernando Henrique reduziu a meta em 2001, e não vimos essa reclamação toda”, lembrou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).