Diretor da Galvão Engenharia admite ter pago propina a esquema da Petrobras

Erton Medeiros Fonseca disse que foi ameaçado por ex-deputado do PP

O diretor da área de óleo e gás da Galvão Engenharia, Erton Medeiros Fonseca, confirmou ter pago propinas ao esquema da Petrobras, mas disse ter sido ameaçado pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Youssef.

Erton prestou depoimento à Polícia Federal, na tarde de segunda-feira (17), em Curitiba. Ele disse que o dinheiro foi repassado ao Partido Progressista (PP), mas ressaltou que só aceitou o esquema porque foi extorquido. O diretor afirmou que Costa e Youssef ameaçaram prejudicar os contratos da Galvão com a Petrobras em andamento, caso ele não pagasse. Além disso, ele se dispôs a fazer uma acareação com o ex-diretor e com o doleiro.

Fonseca afirmou ainda que já havia sido procurado pelo deputado José Janene (PP-PR), em 2010. Com a morte de Janene, Costa e Youssef passaram a fazer os contatos em nome do partido.

Apesar de reconhecer os pagamentos, o diretor da Galvão negou a existência de um cartel formado pelas empreiteiras, como foi denunciado por Paulo Roberto Costa, e disse também que não fez pagamentos para ganhar contratos, mas apenas para garantir os recebimentos de obras já concluídas.

>> Juiz decide hoje se prisões da Operação da Lava Jato serão prorrogadas

>> Em depoimento à PF, executivos presos na Lava Jato negam cartel na Petrobras

>> Dilma diz que caso Petrobras pode mudar o país para sempre

>> Ministro da Justiça diz que oposição quer transformar Lava Jato em 3º turno

>> Das capitanias hereditárias aos porões de alguns empreiteiros

>> Justiça rejeita pedido para libertar executivos presos na Lava Jato

>> Advogados de executivos da OAS pedem garantia de defesa

>> Ex-diretor da Petrobras recebia propina em conta na Suíça

>> Lava Jato: em ação contra corruptores, PF prende 18 em vários estados

Os últimos depoimentos estão sendo colhidos nesta terça-feira (18), quando expira o prazo das prisões temporárias. Devem ser ouvidos ao longo do dia os executivos Ednaldo Alves da Silva, Ricardo Ribeiro Pessoa e Walmir Pinheiro Santana, da UTC, e Dalton Santos Avancini e João Ricardo Auler, da Camargo Corrêa. Do total de executivos presos, seis estão sob regime de prisão preventiva – incluindo Erton Fonseca – e 17 sob regime de prisão temporária.

Até o momento, pelo menos 15 depoimentos foram concluídos, sendo que o discurso predominante foi o da negação. O ex-diretor de serviços da Petrobras Renato Duque foi mais um dos que adotou essa tática, afirmando que desconhecia o esquema e que não tem informações para dar sobre o assunto.

No entanto, o ex-gerente geral da Diretoria de Engenharia e Serviços da Petrobras Pedro Barusco, que atuou na gestão de Renato Duque, está colaborando com a justiça e já disse ter recebido grandes montantes em contas fora do país por conta do esquema. De acordo com os investigadores, o total recebido por Barusco chega a cerca de US$ 100 milhões, sendo que US$ 20 milhões já foram bloqueados em contas na Suíça.