Dilma diz que caso Petrobras pode mudar o país para sempre

Presidente deu entrevista na Austrália e defendeu a estatal

Em entrevista coletina na Austrália, onde participou da reunião de cúpula do G-20, a presidente Dilma Rousseff disse que a investigação dos casos de corrupção na Petrobras pode mudar o Brasil para sempre. "Pode mudar o País no sentido de que vai se acabar com a impunidade. Essa é, para mim, a característica principal dessa investigação. É mostrar que ela não é algo ‘engavetável’. Isso eu acho que mudará para sempre as relações entre a sociedade brasileira, o Estado brasileiro e as empresas privadas", afirmou Dilma.

Segundo a presidente, o escândalo que culminou em novas prisões da operação Lava Jato é diferente de casos anteriores. "Eu acredito que a grande diferença dessa questão é o fato de ela estar sendo colocada à luz do sol. Por que? Porque esse não é, eu tenho certeza disso, o primeiro escândalo. Agora, ele é o primeiro escândalo investigado. O que é diferente, O fato de nós estarmos com isso de forma absolutamente aberta sendo investigado é um diferencial imenso", acrescentou.

Dilma ressaltou que é preciso cuidado para não condenar pessoas inocentes. "A gente tem de ter cuidado porque nem todas as investigações podem ser dadas como concluídas. Então, não pode sair por aí já condenando A, B, C ou D", disse.

>> Das capitanias hereditárias aos porões de alguns empreiteiros

>> Altos executivos da Camargo Corrêa se entregam à PF em São Paulo

>> Justiça rejeita pedido para libertar executivos presos na Lava Jato

>> Ministro da Justiça diz que oposição quer transformar Lava Jato em 3º turno

>> Presos na Operação Lava Jato estão na sede da PF em Curitiba

>> Ex-diretor da Petrobras recebia propina em conta na Suíça

A presidente defendeu a Petrobras e disse que não se pode condenar a empresa. "Não se pode pegar a Petrobras e condenar a empresa. O que nós temos de condenar são pessoas. Pessoas dos dois lados, os corruptos e os corruptores. Eu acredito que a questão da Petrobras é uma questão simbólica para o Brasil. Acho que é a primeira investigação efetiva sobre corrupção no Brasil, que envolve seguimentos privados e públicos", afirmou.

>> Empreiteiras apresentaram notas e contratos falsos a juiz da Lava Jato

>> Empresas de Youssef receberam R$ 90 milhões de empreiteiras

>> Juiz da Lava Jato defende acordos de delação premiada

>> Moro diz que prisões da Lava Jato são remédio amargo contra corrupção

>> PF cumpre 85 mandados judiciais na sétima fase da Operação Lava Jato

>> Lava Jato: em ação contra corruptores, PF prende 18 em vários estados

Dilma explicou que os contratos da estatal com as empresas investigadas na operação Lava Jato já estão sendo revistos, mas avisou que não vai haver uma revisão dos acordos envolvendo outras empresas públicas."Nem toda a Petrobras, nem todas as empreiteiras. Eu não acho que também dá para demonizar as empreiteiras desse país. São grandes empresas e se A,B, C ou D, praticaram mal-feitos, atos de corrupção ou de corromper, eu acho que eles pagarão por isso", disse.