Advogados de executivos da OAS pedem garantia de defesa

Os advogados de cinco presos, ontem (14), na sétima fase da Operação Lava Jato, pediram ao juiz Sérgio Moro, responsável pela investigação, que seja garantido o acesso da defesa aos investigados, presos na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. 

O pedido foi feito pelos advogados dos executivos ligados à empreiteira OAS. Os profissionais alegam que não estão conseguindo contato direto com José Adelmário Pinheiro Filho, Mateus Coutinho de Sá Oliveira, Alexandre Portella Barbosa, José Ricardo Nogueira Breghirolli e Agenor Franklin Magalhães Medeiros.

No pedido feito ao juiz, os advogados pedem que seja garantido o acesso dos advogados aos acusados, em sala reservada, além de entrevista prévia,  antes dos interrogatórios, que acontecerão durante todo o dia. 

"Os subscritores estão na sede da Polícia Federal, em Curitiba, e não estão tendo acesso aos presos lá custodiados, uma vez que a autoridade policial afirmou que os advogados terão acesso a seus clientes, mas tão só antes de serem interrogados, ato do qual não há previsão de ocorrência. Isso, por evidente, caracteriza a incomunicabilidade, vedada constitucionalmente", diz a petição. O pedido será analisado pelo juiz plantonista da Justiça Federal em Curitiba.