Justiça afasta presidente da Câmara de Cuiabá, investigado por fraude

A Justiça de Mato Grosso afastou o vereador João Emanuel (PSD) do cargo de presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, devido às investigações da Operação Aprendiz, do Ministério Público do Estado (MP-MT). Emanuel é suspeito de fazer parte de um esquema que desviou dinheiro público através de fraudes em licitações de compras feitas pelo Legislativo municipal.

Segundo as investigações, o vereador tem envolvimento com um esquema de falsificação de documentos de terrenos. A suspeita é de que os imóveis tenham sido usados como garantia para agiotas na captação de dinheiro, que seria utilizado na campanha de Emanuel para deputado estadual nas eleições de 2014. Os terrenos seriam pagos aos proprietários com oferta de participação em processos licitatórios fraudados na Câmara Municipal.

Na manhã desta quinta-feira, o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do MP-MT cumpriu oito mandados de busca e apreensão em vários locais, entre eles a Câmara de Vereadores e a casa de Emanuel. Os agentes também cumpriram mandados judiciais em uma gráfica chamada Propel, em um cartório de Várzea Grande (o Segundo Serviço Notarial e Registral da cidade), em um escritório de contabilidade e em mais três casas em Cuiabá.