PR: vereadores querem cassar título de cidadão honorário de Pizzolato

Vereadores da cidade de Toledo, a 539 quilômetros de Curitiba, querem revogar o título de cidadão honorário da cidade concedido ao ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no processo do mensalão e considerado foragido da Justiça brasileira. "A manutenção deste título denigre a imagem da população toledana que preserva os valores de integridade e moralidade", defende o vereador Neudi Mosconi (Solidariedade), um dos autores do projeto de lei que entrou em discussão no plenário na noite de segunda-feira. Se aprovado, será a primeira vez que um título de cidadania será revogado na cidade.

Mosconi espera que o projeto entre na pauta de votação até dezembro. Ele diz contar com apoio de 13 dos 19 vereadores que integram o legislativo toledano. "Só devem votar contra os vereadores da base de apoio do atual prefeito eleito com apoio do PT local", afirmou o vereador. O atual prefeito de Toledo, Beto Luttini (PMDB), foi eleito por uma coligação envolvendo PT, PDT,PSC, PSDC, PPL. PMDB e PC do B. 

Além de Mosconi, outros cinco vereadores assinaram a proposição do projeto. O vereador Tita Furlan (PV) acredita que o título entregue a Pizzolato foi justificado na época. "Mas, agora, na condição de condenado, foragido e procurado pela polícia internacional, não há como manter este título. Se ele mereceu na época, agora ele fez por desmerecer este título de cidadão de Toledo. A população se mostra entristecida com essa situação e com a contínua citação do nome da cidade ligada a ele", afirma o vereador.

O projeto de lei 235/2013 pede a revogação da Lei 47/1994, que concedeu o titulo de cidadão honorário à Henrique Pizolatto. Na justificativa apresentada, os vereadores assinalam que, "em virtude da fuga do réu e de sua condenação, entendemos que o cidadão citado não é digno de usufruir deste título". Também assinaram o projeto os vereadores Valtencir Brito (PR), Edinaldo Santos (PSC) e Luiz Johann (PP).

Trajetória

Natural de Concórdia (SC), Pizzolato morou em Toledo na década de 80. Na cidade, fundou e presidiu o Sindicato dos Bancários. Foi também um dos principais articuladores para consolidação do Partidos dos Trabalhadores no município. Atuante na militância política, o ex-diretor do BB foi candidato a prefeito da cidade em 1988 pelo PT. Em 1990, ainda morando na cidade, foi candidato ao governo do Estado. Pizzolato deixou de residir em Toledo em 2002 para atuar na campanha vitoriosa do ex-presidente Lula à Presidência da República.

O título de cidadão honorário foi concedido em 1994 por sugestão do então vereador Aldeni Araújo (PT). A homenagem foi justificada pela atuação profissional e política de PIzzolato em sua trajetória pela cidade.