Secretários de Saúde apoiam programa 'Mais Médicos' 

Na audiência pública para subsidiar o julgamento das ações de inconstitucionalidade que questionam o Programa Mais Médicos, o vice-presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), José Fernando Casquel Monti, secretário de Saúde de Bauru (SP), afirmou que a vinda de profissionais estrangeiros por meio do programa tem impacto positivo direto no atendimento à população de áreas vulneráveis. Segundo ele, as dificuldades para contratar profissionais e assegurar atendimento médico universal ocorre tanto em municípios distantes quanto nas periferias das grandes cidades.

Monti afirmou que, embora a Constituição Federal determine a prestação de assistência integral e universal, o modelo brasileiro ainda funciona centrado no atendimento hospitalar e com ênfase nos procedimentos, o que resulta em baixa capacidade de resolução dos problemas e custos elevados para o sistema. 

De acordo com o secretário, o tipo de doenças que era possível resolver com o modelo atual, as infecciosas, está sendo substituído pelas crônicas e degenerativas, que precisam de acompanhamento prolongado e permanente. “Nosso modelo hoje é centrado predominantemente na doença. Só depois que a pessoa adoece é que vamos fazer as intervenções", destacou. "O que queremos é um modelo integral, que abranja o indivíduo em outras fases de sua vida”.

>> Mais Médicos: Frente Nacional dos municípios defende o programa

>> Mais Médicos: MP do Trabalho critica repasse indireto a cubanos

>> Mais Médicos: ministro, AGU e Conselho de Medicina debatem programa no STF

De acordo com Monti, a partir da implantação do Sistema Único de Saúde (SUS), houve grande expansão da estratégia de saúde da família, com a cobertura chegando a mais de 100 milhões de pessoas. Segundo ele, nos últimos cinco anos, a quantidade de equipamentos de saúde cresceu 72,3%, o número de estabelecimentos médicos 44,5% e a quantidade de leitos hospitalares 17,3%. Mas o número de médicos cresceu, apenas, 13,4%.

O presidente do Conasems disse ainda que, além da falta de médicos, há um problema de distribuição de profissionais. Segundo ele, a média nacional é de 1,8 médico por grupo de mil habitantes, mas 22 estados estão abaixo desta média e, em cinco (Acre, Amapá, Maranhão, Pará e Piauí), há menos de um médico por cada mil habitantes. A seu ver, o Programa Mais Médicos resolve também o problema de municípios com baixa arrecadação que têm dificuldade de contratar médicos em função de limites salariais.