BA: após ser afastado, médico cubano volta ao trabalho e é recebido com festa

O médico cubano integrante do programa Mais Médicos afastado depois de ser denunciado pelo vereador José Carneiro (PSL), na última quarta-feira (20), por ter supostamente receitado uma alta dosagem de dipirona a uma criança, voltou ao trabalho nesta segunda-feira em Feira de Santana (BA). Ele foi recebido com festa pelos moradores da comunidade e até mesmo pela mãe da criança envolvida no caso, de acordo com funcionários da unidade.

Segundo a enfermeira Andrea de Almeida Correia Carvalho, que atua na Unidade de Saúde da Família (USF) do bairro Viveiros, onde também trabalha o profissional cubano, o médico chegou à unidade por volta das 8h e foi recebido pelos moradores da região com cartazes e cumprimentos. De acordo com ela, a mãe da criança envolvida no caso, Gilmara dos Santos, também foi ao local recepcionar o cubano em seu retorno. 

>> Médica tenta desmoralizar colega cubano na Bahia

Após o afastamento do médico um abaixo-assinado de 12 folhas e dezenas de assinaturas foi enviado pelos moradores do Viveiros à Secretaria de Saúde, pedindo que o médico continuasse na unidade.

O cubano Isoel Gomez Molina foi liberado para retornar a seu posto na última quinta-feira, após a análise de uma comissão formada por representantes do Ministério da Saúde, da Secretaria de Saúde de Feira de Santana, da Coordenação Estadual do Programa Mais Médicos e o tutor do médico cubano.

Em nota, a prefeitura de Feira de Santana afirmou que Isoel foi afastado “até que os fatos fossem devidamente apurados”. Segundo a administração municipal, “as 40 gotas indicadas não eram para ser ministradas em dose única, mas divididas em quatro vezes, a cada seis horas, como consta na receita, desde que a criança sentisse dor ou apresentasse um quadro febril, e explicou detalhadamente à mãe da criança que seriam 10 gotas, apenas, por vez”.

Ainda de acordo com a prefeitura, o médico prescreveu a dose diária, como é comum onde trabalhou, e não fracionada, comum no Brasil. “A equipe não julgou a conduta do médico, mas esteve na cidade para ouvi-lo. Os médicos do programa no Estado passarão por reforço no treinamento na prescrição dos medicamentos da atenção básica.” A secretária de Saúde, Denise Mascarenhas, disse que a as declarações da mãe da criança bem como as avaliações feitas durante a reunião pesaram na decisão de manter Isoel Gomez no quadro do programa. “Tudo foi devidamente esclarecido."