Haddad assina mudanças na educação e espera resultados em 2015

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, assinou, na manhã desta quinta-feira, os chamados atos normativos da implantação do Programa de Reorganização Curricular, Ampliação e Fortalecimento da Rede Municipal de Ensino Mais Educação São Paulo. A maioria das mudanças já estará em vigor a partir do início do ano letivo de 2014, mas a prefeitura da capital paulista espera colher os frutos no fim de 2015.

Entre as diversas mudanças curriculares no ensino municipal estão a retorno da obrigatoriedade das provas bimestrais, notas de zero a 10, boletins dos alunos enviados para os familiares e lição de casa.

“Temos uma Prova Brasil neste ano, em novembro. Essa reforma não terá repercussão esse ano, mas em 2015 temos uma expectativa de uma reação. São Paulo é uma das poucas capitais que não cumpriu as metas e se manteve em 35º lugar entre as 39 cidades da região metropolitana. Esse foi o principal motivo para que nos detivermos nesse programa, que é importante para cidade. A experiência mostra que em dois anos teremos resultados, porque é difícil conseguir fazer uma prova e no ano seguinte obter resultados”, disse o prefeito da capital.

Há cerca de dois meses, o programa de reorganização curricular foi elaborado pela equipe da prefeitura, mas passou por consulta pública e sofreu algumas alterações até sua assinatura, nesta quinta-feira. Do documento original foi aperfeiçoado a retirada de chamada dependência e a recuperação intensiva nas férias, que passa a valer apenas “quando necessário e possível”. Toda a reorganização curricular está disponível no site da Secretaria Municipal de Educação.

“Esse documento já subiu de patamar. Tudo o que é coletivo é melhor. Lançamos uma semente já há dois meses e o documento já melhorou e dá impulso ao processo. Agora tem o parto da execução. E nela teremos que aprimorar nossos conceitos. Quando formos efetivar o programa vamos voltar ao documento e aperfeiçoá-lo. Não temos que ter arrogância em relação a isso, porque os educadores também são educados. Queremos educar São Paulo e ser educado por uma cidade dinâmica e enfrentar os desafios”, disse Haddad.

Apesar da reforma curricular, o prefeito da capital paulista afirmou que a principal mudança é a transformação dos Centros Educacionais Unificados (CEUs) em centros universitários.

“Se me perguntarem quais são as (mudanças) que terão impactos mais duradouros, sem dúvida é a transformação dos CEUs em centros universitários. Isso vai garantir a perpetuidade da reforma. Vamos transformar a cidade de são Paulo em uma cidade educadora. É reconfortante saber que nós, como cidadãos, vamos dormir tranquilos por saber que nossa rede estará associada ao que tem de melhor em termos de educação continuada. Isso rompe as fronteiras geográficas”, disse Haddad.

O secretário de Educação, Cesar Callegari, afirmou que as mudanças farão com que a cidade de São Paulo mude de patamar. “Todos sabemos que temos exemplos de boas escolas no ensino fundamental. São exemplos claros e objetivos de que é possível que todas as escolas tenham boa qualidade. Não é aceitável que São Paulo esteja classificada como 35 lugar entre os 39 municípios. Não corresponde com o brio da cidade. Precisamos avançar e propusemos medidas importantes para que a qualidade de educação aconteça”, explicou Calegari.