Círio de Nazaré marca calendário turístico da capital paraense

O Círio de Nazaré é o evento mais significativo em termos de turismo no estado do Pará. A grande festa é considerada período de alta temporada. Aeroporto, rodoviária e portos recebem pessoas de todos os lugares e, por conta disso, em uma espécie de "força-tarefa", organismos e instituições ligadas ao turismo unem-se para receber da melhor maneira quem se dirige à capital paraense.

O programa "Amigos do Turista" oferece um receptivo 24 horas no aeroporto de Belém, até o dia 11 deste mês, de 9h às 18h no Terminal Rodoviário e na sede da Paratur, onde funcionam os Postos de Informações Turísticas. As boas-vindas nesses locais acontecem em uma escala de revezamento, com shows de carimbó, distribuição de cheiro do Pará, mapas turísticos e panfletos com a programação religiosa e cultural do Círio.

Entre os 2 milhões de romeiros que participam do Círio no segundo domingo de outubro e que tomam conta das ruas de Belém, de acordo com dados do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-econômicos do Pará (Dieese), cerca de 77,9 mil são turistas.

A festa também é responsável pela difusão da culinária paraense, já que as iguarias gastronômicas mais tradicionais fazem parte das tradições do Círio e do almoço depois da grande procissão. Maniçoba e pato no tucupi são os pratos principais do cardápio da reunião das famílias e o cheiro dos ingredientes toma conta de toda a cidade dias antes da festa.

A programação oficial envolve 11 romarias que, se somadas, chegam a cerca de 120km de percurso. A chamada imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré também cumpre uma extensa agenda de visitas a empresas, órgãos públicos, instituições de ensino e religiosas, além da participação durante todo o ano em programações de outros estados que também realizam o Círio, como Rio de Janeiro e Minas Gerais, Amazonas e Amapá.

Programação

A programação oficial foi aberta nesta terça-feira (8), com a inauguração da decoração da Praça Santuário, da iluminação dos arcos e da Basílica Santuário de Nazaré, e prossegue nesta quarta-feira (9), com a abertura da tradicional Feira de Artesanato do Círio. Na quinta-feira (10), será apresentado o manto que adornará a imagem de Nossa Senhora de Nazaré: uma verdadeira joia que é trocada todos os anos e é considerada um dos ícones da festa. No mesmo dia acontece um grande concerto mariano na Basílica Santuário.

Romeiros de diversos municípios dirigem-se em caminhada por dezenas de quilômetros até Belém, como forma de pagar suas promessas. Eles são recebidos na "Casa de Plácido", cujo nome faz menção ao morador de Belém que teria encontrado a imagem de Nossa Senhora de Nazaré que deu origem ao Círio, no ano de 1700. No local os romeiros contam com uma acolhida especial e atendimento médico, podendo ainda descansar antes de retornar aos seus municípios.

Na sexta-feira pela manhã, em frente à Basílica Santuário, tem início a primeira das 11 romarias, o traslado para Marituba e Ananindeua, municípios na Região Metropolitana de Belém. É a mais extensa romaria, chegando a percorrer cerca de 110 km, com diversas paradas para receber homenagens. A imagem segue em um carro da Polícia Rodoviária Federal cercada por outros carros, motocicletas e bicicletas e emociona os fiéis que aguardam a passagem da imagem em calçadas e passarelas, especialmente na principal via de acesso a Belém, a Rodovia BR-316.

Depois de uma noite de vigília, a imagem segue nas primeiras horas da manhã de Ananindeua para Icoaraci, distrito de Belém, na Romaria Rodoviária. Na orla do distrito, depois de uma missa campal, tem início a Romaria Fluvial, pelas águas da baía do Guajará, seguida por centenas de embarcações de diversos tamanhos, todas enfeitadas.

Esta romaria é uma das mais novas do calendário, criada na década de 1990, pelo então presidente da Paratur, Carlos Rocque. Como já se tornou tradicional durante a chamada romaria das águas, a Paratur realiza todos os anos um concurso que escolhe e premia a embarcação que apresentar a ornamentação mais bonita. Artistas, jornalistas, acadêmicos e profissionais diversos integram o corpo de jurados. O concurso, além de premiar as embarcações, também é uma forma de fazer com que os participantes da Romaria cadastrem-se junto à Capitania dos Portos para evitar acidentes durante o percurso.

Já na orla de Belém, na escadinha da Estação das Docas, a imagem é recebida com honras de chefe de Estado. Tem início então outra romaria, a dos motociclistas, que conduz a imagem até o Colégio Gentil Bittencourt. Ao meio dia, paralelamente, ocorre na Basílica Santuário, a cerimônia de descida da chamada imagem original, a mesma encontrada por Plácido junto ao igarapé Murutucu.

Esta imagem é retirada do glória (uma área especial na parte superior do altar-mor da Basílica) e colocada em um nicho fora da Basílica para que os fiéis possam estar mais perto durante a quadra nazarena. É necessário lembrar que a imagem que sai nas romarias é uma cópia da chamada imagem original, que tem em seu traçado detalhes do semblante das mulheres amazônicas e o Menino Jesus lembra uma criança da região.

Ainda no sábado, pela parte da tarde, em frente ao Colégio Gentil, tem início a missa da Trasladação que, com percurso inverso ao do Círio, possui praticamente os mesmos elementos da grande romaria, sendo que é realizada à noite, quando a temperatura é mais amena e também conta com as luzes das velas carregadas pelos fiéis até a Catedral Metropolitana.

Na manhã do segundo domingo de outubro, um verdadeiro mar de gente toma conta das ruas de Belém para a passagem da berlinda enfeitada que conduz a imagem peregrina. A programação dura ainda mais duas semanas, com a realização das demais romarias e também diversos eventos ligados à festa, encerrando com um espetáculo com fogos de artifício à noite e na manhã seguinte a realização da última e mais curta romaria, o Recírio.