Câmara mantém criação de programa de residência em medicina geral

A Câmara rejeitou, por 193 votos a 75, o destaque do SDD à Medida Provisória 621/13 que pretendia retirar do texto a criação do Programa de Residência em Medicina Geral de Família e Comunidade, com duração mínima de dois anos ou de um ano no caso de algumas especialidades (pediatria, ginecologia e outras).

Os deputados já aprovaram o projeto de lei de conversão do deputado Rogério Carvalho (PT-SE) à MP, que cria o programa Mais Médicos com o objetivo de ampliar o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) em cidades onde há carência desses profissionais.

Neste momento, está em debate destaque do PPS que pretende retirar, do texto sobre a residência em medicina geral de família, a necessidade de um a dois anos dessa residência antes de o médico realizar outra residência da área na qual pretende se especializar, conforme disciplinado pela Comissão Nacional de Residências Médicas (CNRM).