SP: inspeção veicular deve ser feita por 4 empresas, diz Haddad

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, afirmou neste sábado que o serviço de inspeção veicular na cidade de São Paulo, hoje feito somente pela Controlar, será dividido entre outras quatro empresas, que atenderão quatro áreas delimitadas. De acordo com o petista, a divisão será feita assim que o contrato atualmente em vigência, mantido através de liminar da Justiça favorável à Controlar, for cancelado. As declarações foram dadas em entrevista ao programa Discuta São Paulo, da rádio CBN. 

O petista, que alterou a obrigatoriedade na inspeção nos veículos do primeiro para o quarto ano de vida do carro, voltou também a criticar a obrigatoriedade da inspeção anual, como feita anteriormente, e disse que a necessidade de avaliação anual de todos os carros é um “lobby” feito pela Controlar. “Eles (Controlar) fazem lobby em Brasília, lobby no Congresso para a manutenção da inspeção na cidade”, disse Haddad. 

Semáforos

Questionado sobre o longo tempo de espera dos pedestres em semáforos da cidade, Haddad afirmou que “colocou no radar” do secretário municipal de Transportes da capital paulista, Jilmar Tatto, a priorização do pedestre na reforma semafórica que está sendo feita em São Paulo.

De acordo com o prefeito, a reforma, que começou em agosto, já atualizou cerca de 400 semáforos até o momento. A previsão é que 2 mil aparelhos de sinalização - dos 4,8 mil envolvidos no processo - sejam renovados até o final do ano, já com o planejamento voltado para o pedestre.

Táxis

Questionado sobre a decisão judicial que obriga a prefeitura a caçar as licenças de taxistas atualmente em vigência e abrir processo licitatório na cidade, Haddad afirmou que concorda com o questionamento da Justiça, mas que o Executivo paulistano recorrerá da decisão da Justiça paulista. “Quem está licenciado, continua (com a licença). Que valha para as novas licenças (a decisão judicial)”, afirmou o petista. 

Educação 

Segundo Haddad, as escolas municipais que apresentaram pior desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) devem ser as primeiras a receber o modelo de educação integral proposto por sua gestão. Apesar da afirmação, o prefeito não apontou datas para o início da implementação do modelo nessas unidades de ensino. 

Eleição

Questionado sobre sua pretensão de se reeleger em 2016 para depois alçar cargos maiores, o petista evitou falar sobre o tema e disse que  ser prefeito de São Paulo não traz ganhos políticos, por conta da dificuldade em administrar a cidade. “São Paulo enterra políticos, ela não promove políticos”, afirmou o petista. “(A cidade) é muito difícil de administrar e tem problemas estruturais grandiosos.”