Kerry visita Brasil no momento em que autoridades questionam espionagem

Brasília – O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, de 69 anos, passa o dia hoje (13) em Brasília para uma série de reuniões. A visita dele ocorre em um momento delicado das relações entre o Brasil e os Estados Unidos, pois há pouco mais de um mês surgiram as denúncias de que agências norte-americanas monitoravam cidadãos em vários países, inclusive no Brasil.

Assessores que preparam a visita, garantem, porém,que o mal-estar não ofuscará a discussão de vários temas bilaterais comuns – como inovação, tecnologia e ciência. Kerry terá encontro com a presidenta Dilma Rousseff às 16h30 no Palácio do Planalto

Uma equipe de funcionários do governo dos Estados Unidos passou a manhã de ontem (12) no Palácio Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores, para rastrear os  locais por onde o secretário passará. Os norte-americanos querem garantir que há segurança suficiente em caso de protestos mais intensos, como o ocorrido em junho quando o Itamaraty foi alvo de vândalos que destruíram vidraças e algumas peças do prédio.

No Itamaraty, entretanto, a segurança para a visita de Kerry será a mesma organizada para todos os chanceleres estrangeiros. O esquema é feito por seguranças internos, que trabalham rotineiramente no Itamaraty, pela guarda de representação que é formada por fuzileiros navais e pela Polícia Militar, que é responsável pela segurança do lado de fora do prédio.

Kerry chega ao Brasil, depois de passar pela Colômbia. Em Brasília, ele tem reunião, às 9h, na Embaixada dos Estados Unidos, depois conversa com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e segue para o Itamaraty, para encontros com o chanceler Antonio Patriota. Kerry concederá entrevista coletiva às 13h.

O secretário norte-americano está no Brasil no momento em que as autoridades brasileiras aguardam mais informações dos Estados Unidos sobre o monitoramento de dados de cidadãos nos meios de comunicação, conforme denunciou Edward Snowden, ex-funcionário de uma empresa terceirizada que prestava serviços para a Agência de Segurança Nacional (NSA).

No cargo há seis meses, Kerry provocou críticas dos governos latino-americanos ao se referir à América Latina como “quintal”. Os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e do Equador, Rafael Correa, reagiram aos comentários cobrando explicações. Mas as autoridades brasileiras preferiram minimizar os efeitos do comentário, ao interpretar que houve uso indevido de palavra e não uma agressão.

O esforço dos assessores brasileiros e norte-americanos é para que a visita de Kerry tenha resultados positivos. Nos últimos cinco anos, o fluxo de comércio entre os Estados Unidos e o Brasil aumentou 11,3%, passando de US$ 53,1 bilhões para US$ 59,1 bilhões. Os Estados Unidos são o país com maior estoque de Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) no Brasil, somando US$ 104 bilhões em 2010. Em 2012, os Estados Unidos foram o maior investidor estrangeiro no Brasil.