Papiloscopistas protestam em frente ao Palácio da Alvorada

Cerca de 100 papiloscopistas protestaram no começo da noite de hoje (30) em frente ao Palácio da Alvorada, residência oficial da presidente Dilma Rousseff, para que ela sancione o projeto de lei que inclui a categoria no rol de peritos oficiais. Atualmente, fazem parte da lista médicos legistas, odontolegistas e peritos criminais.

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 244/2009, de autoria da então senadora Ideli Salvatti, atual ministra da Secretaria de Relações Institucionais, foi aprovado no Senado no começo de julho e tem até quinta-feira (1°) para ser sancionado, com ou sem vetos, pela presidenta.

Os papiloscopistas são responsáveis pela perícia nos locais de crimes, identificação de cadáveres, retratos falados e emissão de passaportes, entre outras atribuições. “Vamos continuar fazendo o que já fazemos. O projeto não inova nada. O que acontece é que a uma lei de 2009 nominou três classes de peritos e nós, que fazemos parte dessa categoria, ficamos de fora”, disse o presidente da Federação Nacional dos Profissionais em Papiloscopia e Identificação (Fenappi), Antonio Maciel Aguiar Filho.

Segundo o dirigente, a sanção da lei vai dar segurança jurídica aos laudos produzidos pelos papiloscopistas, que em alguns estados têm sido questionadas na Justiça.

O grupo começou o protesto em frente ao Palácio do Planalto, mas se deslocou para a residência oficial, onde Dilma está trabalhando enquanto se recupera de uma gripe. Os papiloscopistas carregavam velas acesas e fizeram orações em frente ao espelho d'água na entrada do prédio. O grupo pretende manter os protestos até quinta-feira, prazo final para a sanção.

Segundo Maciel, em todo o Brasil há 9 mil papiloscopistas, nas polícias Civil e Federal.