IDH de Porto Alegre é o mais estagnado das capitais; Palmas puxa crescimento

Consideradas as áreas com menor poder econômico do Brasil, as Regiões Norte e Nordeste diminuíram consideravelmente a diferença em relação ao Centro-Sul brasileiro no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Divulgado nesta segunda-feira, o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013 aponta que o município de Palmas (TO) registrou a maior taxa de crescimento entre todas as 27 capitais brasileiras, de 1991 a 2010. Porto Alegre (RS), por outro lado, é a capital brasileira que apresentou a menor melhora no período.

O IDH avalia indicadores como educação, renda per capita e longevidade da população, em uma escala que varia de 0 a 1 - acima de 0,8, o índice é considerado muito alto. Em 1991, Palmas amargava o pior IDH entre as capitais, com 0,439. Porém, com uma elevadíssima taxa de crescimento de 79,5%, a cidade atingiu um índice de 0,788, saltando para a 10ª posição no ranking.

As primeiras colocações seguem ocupadas pelas capitais do Sul e do Sudeste do País, além de Brasília. Essas cidades, porém, apresentaram um crescimento muito inferior aos das regiões "periféricas" do Brasil - os maiores saltos ocorreram em Belo Horizonte (MG0, que com 34,55% de crescimento do IDH passou da oitava para a quinta posição no ranking, e em Brasília, cujos 33,77% de crescimento garantiram a passagem da sétima para a terceira colocação.

Capital líder no ranking elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), Florianópolis (SC) atingiu em 2010 o IDH  de 0,847, considerado "muito alto". A taxa de crescimento, porém, foi uma das menores registradas pela pesquisa, com variação de 24,38% desde 1991.

A única cidade com crescimento inferior ao de Florianópolis foi Porto Alegre (RS), que registrou a pior taxa do País - alta de 21,97%. Porém, ao contrário da capital catarinense, a estagnação de Porto Alegre teve efeito direto no ranking, fazendo a cidade despencar da segunda para a sexta posição, empatada com São Paulo, com IDH 0,805. De 1991 para 2010, a capital gaúcha foi ultrapassada por Vitória (ES), Curitiba (PR), Brasília (DF) e Belo Horizonte (MG).