Ex-reitor reclama da falta de autonomia universitária

Na cerimônia de posse hoje (29) do novo reitor da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), Josué Modesto dos Passos Subrinho, o antecessor dele, Helgio Trindade, que deixou o cargo alegando problemas de saúde, reclamou da falta de autonomia das universidades federais no país. Trintade disse que há autonomia no Brasil apenas nas instituições privadas, que ocupam 75% das matrículas, e a "grande exceção" está em São Paulo, cujas universidades públicas têm maior independência.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que a autonomia é essencial para o desenvolvimento e o aprendizado. "A autonomia é um valor essencial para uma universidade poder ter toda a sua liberdade pedagógica, poder pensar sua trajetória, suas especificidades, seu caminho", disse.

Para o novo reitor da Unila, o desafio está centrado na integração latino-americana. “É uma universidade muito diferente, temática, voltada para a integração latino-americana e que está em implantação em todos os sentidos", disse Subrinho, que segue amanhã (30) para Foz do Iguaçu, onde fica a sede da universidade.

Criada em 2010, a Unila oferece atualmente 16 cursos de graduação em diversas áreas do conhecimento. O projeto do campus, que está em construção, foi desenhado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, morto em dezembro de 2012. Antes de assumir a reitoria na Unila, Subrinho ocupou dois mandatos consecutivos como reitor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), de 2004 a 2012, e de vice-reitor de 1998 a 2004.

Interinamente ocupava a reitoria da Unila o professor doutor Nielsen de Paula Pires, atual vice-reitor. Na cerimônia de posse, também esteve presente o secretário de Educação superior do Ministério da Educação, Paulo Speller, e várias autoridades.