RS: bondes se infiltraram em protestos para saquear lojas, diz polícia

As autoridades de segurança do Rio Grande do Sul afirmaram nesta terça-feira que cresceu o número de criminosos infiltrados entre os manifestantes, um dia após mais um protesto ter terminado de forma violenta em Porto Alegre. Na noite de segunda-feira, 65 pessoas foram presas por crimes cometidos nas ruas da cidade. Segundo a Secretaria de Segurança do Estado, até bondes foram organizados para cometer crimes.

"Ontem, percebemos claramente que houve evolução negativa, no sentido de que grupos se infiltraram em meio aos manifestantes. Este grupo está cada vez maior nesses eventos, se percebe quem é que se aproveita para cometer delitos. Das 65 pessoas presas, todas foram por crimes contra o patrimônio, sendo que dois manifestantes foram assaltados por quem estava na passeata", disse o secretário de Segurança, Airton Michels. Ele afirmou que a Brigada Militar (Polícia Militar local) teve a mesma atitude de outras manifestações, se adiantando para evitar depredações.

Segundo o delegado chefe da Polícia Civil, Ranolfo Vieira, entre os 65 presos, nenhum tinha sido detido em outras manifestações, além de possuírem diversas passagens pela polícia por crimes como porte de armas, roubos, receptação, tráfico, associação para o tráfico, roubo de veículos, ameaça, estupro e lesão corporal. "Entre esses, 13 foram presos em flagrante, sendo que 11 possuem antecedentes criminais", afirmou.

O comandante da Brigada Militar, Fabio Duarte Fernandes, afirmou que os criminosos estão se organizando em grupos chamados bondes, que se aproveitam da situação para cometer crimes. "Ontem, nós tivemos vários saqueadores integrados, em grupos de 15, 20, que nós estamos denominando de bondes, e ontem ratificamos a atuação para evitar que esses saqueadores se infiltrem na manifestação."