SP: governo suspende reajuste nas tarifas de pedágios

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta segunda-feira, no Palácio dos Bandeirantes, que o aumento no preço dos pedágios das rodovias estaduais, previsto para o dia 1º de julho, foi cancelado. O reajuste seria de 6,2%. De acordo com Alckmin, uma possível mudança na tarifa só será discutida na data base dos contratos, em 1º de julho de 2014. "Este ano, o aumento é zero. A data do contrato continua válida, mas um possível reajuste só será discutido no próximo ano", disse o governador. São Paulo tem um total de 19 concessões de rodovia, totalizando cerca de 6 mil quilômetros. 

"O reajuste será zero. Não haverá nenhum reajuste. Vamos manter os contratos, mas com esforço bastante grande, conseguimos equacionar esse problema", disse ele. De acordo com Alckmin, houve algumas medidas tomadas para compensar o cancelamento, como o valor repassado à Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), que regula o setor. A Artesp ficava com 3% do faturamento, valor que a partir de agora passa a ser de 1,5%. "Cortamos pela metade custo da agência reguladora", afirmou o governador.

Para cobrir o valor, também serão utilizados recursos da penalização das concessionárias, por exemplo com o atraso em algumas obras. "Vamos aplicar a taxa interna de recurso para compensar", disse. Alckmin disse que o Estado recebe das concessionárias um valor pelas concessões e que se necessário esse valor também será utilizado. "Somente se necessário, utilizaremos parte desses recursos", disse, sem falar em valores.

Alckmin disse também que há um esforço do Estado para melhorar as concessões e incentivar a cobrança eletrônica, que reduz custos. "Também queria lembrar que os valores cobrados de lanchas e nas balsas também não será alterado", disse. O tucano seguiu para Brasília após o anúncio para uma reunião com a presidente Dilma Rousseff.