Em nota, MPL de São Paulo diz que não suspendeu os protestos

O Movimento Passe Livre (MPL), que articulou e organizou os protestos pela redução da tarifa do transporte público em São Paulo, divulgou nota no final da noite de sexta-feira onde diz que não suspendeu os protestos, após vários de seus porta-vozes afirmarem que suspenderiam as ações. 

"Ao longo dos seus oito anos, o MPL nunca deixou de se organizar e sair às ruas, e não vai ser agora que isso vai mudar", informou. 

Com a redução do valor da tarifa na capital paulista de R$ 3,20 para R$ 3, o foco agora das manifestações será outro. "Sempre afirmamos que a luta contra o aumento ia continuar até a revogação (do valor da passagem). Agora que a tarifa baixou, vamos dar continuidade à luta, pela tarifa zero".

De acordo com o comunicado, o MPL é  "um movimento social que luta por um transporte verdadeiramente público". O grupo também reforçou que a conquista na redução do valor da tarifa foi resultado da mobilização de todos aqueles que participaram dos protestos. 

"Nas últimas semanas, a população de São Paulo obteve uma enorme conquista: com sua mobilização na rua, forçou os governantes a retrocederem e revogarem o aumento na tarifa de ônibus, trem e metrô. O povo organizado mostrou que é capaz de vitórias, e há muitas lutas ainda a serem feitas", disse.  

Na sexta-feira, vários porta-vozes do MPL disseram que iriam suspender os protestos por rejeitarem a violência registrada em algumas manifestações. Eles também criticaram os ataques contra membros de partidos políticos que participaram nas caminhadas.