SP: fotógrafo atingido em protesto tem chance mínima de recuperar visão

O fotógrafo Sérgio Silva, da agência Futura Press, que foi atingido no olho esquerdo por um tiro de bala de borracha disparado pela Polícia Militar durante o protesto de quinta-feira em São Paulo, tem poucas chances de recuperar a visão. Segundo a mulher dele, a jornalista Kátia Passos, "o caso dele é bastante grave". "Os médicos acham que, mesmo se fizesse agora uma cirurgia, pode até piorar a pequena acuidade visual que ele ainda tem. Mas a chance de ele recuperar (a visão) é mínima", disse ela.

Sérgio está internado no hospital H. Olhos (Hospital de Olhos Paulista), no bairro Paraíso, em São Paulo, e está consciente. Na noite de quinta-feira, ele trabalhava na cobertura do protesto contra o aumento da tarifa de transporte público quando foi ferido por uma bala de borracha, na rua da Consolação. "Ele foi socorrido por um professor que estava na manifestação, que o levou para o Hospital Nove de Julho", disse Kátia. Ainda na noite de ontem, Sérgio foi transferido ao H. Olhos.

O boletim médico do fotógrafo foi divulgado nesta sexta-feira, e diz que ele sofreu "lesões oculares e fratura de órbita". O documento, no entanto, diz que "não é possível afirmar o prognóstico visual". A mulher dele aguarda a opinião de outros especialistas para decidir quais procedimentos podem ser feitos.

Kátia lamentou o fato de que Sérgio pode não ter condições de voltar a trabalhar como fotógrafo. "Provavelmente não haverá condição de retornar (ao trabalho como fotógrafo). Pelo menos eu não conheço nenhum fotógrafo que consiga fotografar com um olho só", disse ela.