No RS, Lula diz que transporte público é 'problema crônico' no País    

Ex-presidente defendeu ainda a criação de ministérios para "resolver" problemas do Brasil   

Durante sua participação no Fórum Mundial de Autoridades Locais da Periferia, nesta quinta-feira, em Canoas, na Grande Porto Alegre, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva disse que a questão do transporte público no País é um "problema crônico". 

“O transporte coletivo neste País é um problema crônico, cada vez mais difícil”, disse Lula a uma plateia de prefeitos de cidades periféricas, defendendo que eles busquem alternativas para a mobilidade nas regiões metropolitanas, “para discutir e começar a encontrar uma solução definitiva (...) Só quero saber quem vai colocar o transporte, se é o poder público que vai estatizar, ou se o governo vai estar disposto a colocar dinheiro, sobretudo em cidades ocupadas de forma desordenada”, afirmou.

Ao discorrer sobre a ocupação desordenada dos centros urbanos, nas décadas de 60 e 70, que iniciaram as ocupação de áreas que mais tarde se tornaram as favelas brasileiras, Lula reconheceu sua parcela de culpa, e também a de correligionários, que defendiam a ocupação, e culpou ainda uma elite brasileira que teria ignorado a questão.

“Era bonito defender os pobres do interior (que ocupavam as áreas) quando tinha prefeito querendo tirar e a gente não deixava, vamos ser francos. Quantas vezes você não fez isso, Tarso (Genro)? “, perguntou ao governador do Rio Grande do Sul. “De um lado a irresponsabilidade gerencial administrativa da elite brasileira, mas também tivemos muitos vereadores que se elegeram fazendo isso. Defender os pobres não era errado, mas tínhamos que discutir que deveria haver um lugar melhor que aquele”, afirmou.

Ele diz que o reflexo disso, hoje, são os preços caros para construção e moradia em virtude da falta de estrutura, que dificulta a vida dos governantes brasileiros. “Temos sérios problemas para enfrentar na habitação, porque os terrenos estão cada vez mas caros, e mesmo com o programa do governo federal”, disse referindo-se ao programa Minha Casa, Minha Vida. “Dilma (Rousseff) vai entregar 3 milhões de casas até 2015, um milhão foram entregues até agora, mas está cada vez mais difícil pelo preço do terreno”, completou.

Ministérios

Lula defendeu ainda a criação de ministérios em seu governo, dizendo que se fosse possível resolver tudo com apenas uma pasta, faria isso. “Se não criar ministério resolvesse alguma coisa, nós só teríamos apenas um. Criamos o ministério das Cidades, da Igualdade Racial, dos Direitos Humanos, da Pesca, da Mulher... se pode ter o Ministério da Indústria, porque não pode ter o da Mulher?”, perguntou, durante o discurso de aproximadamente 50 minutos.