Com greve da CPTM, lentidão chega a 86 km esta manhã em SP

A greve dos ferroviários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) de São Paulo teve reflexos também no trânsito da capital paulista na manhã desta quinta-feira. Às 8h15, conforme a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a lentidão chegava a 86 quilômetros, número acima da média. A zona oeste, com 31 quilômetros de congestionamentos, era a mais complicada. Outro ponto da cidade com fluxo intenso era a zona sul, que tinha 28 quilômetros de lentidão.

A paralisação da CPTM afeta as linhas 8-Diamante, 9-Esmeralda, 11-Coral e 12-Safira dos trens metropolitanos, e atinge cerca de 1,5 milhão de usuários. A decisão foi tomada em assembleia por volta das 20h de quarta-feira pelos sindicatos dos trabalhadores em Empresas Ferroviárias de Transporte de Passageiros da Zona Sorocabana e dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona da Central do Brasil.

A companhia informou que uma cautelar do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP) determinou que, no caso de deflagração da greve, os empregados mantivessem 100% da operação nos horários entre 6h e 9h e das 16h às 19h. Nos demais horários, o efetivo seria de 75%. Porém, a determinação não foi cumprida, e os ferroviários estão sujeitos a uma multa diária de R$ 100 mil.

Os usuários que se dirigiram pela manhã à estação Grajaú, na zona sul da capital paulista, encontraram os avisos de greve no portão da estação, que pertence à Linha Esmeralda e liga o bairro a Osasco, na Grande São Paulo. A linha passa próximo à marginal Pinheiros.

A CPTM deixou o seguinte aviso: "Senhores usuários, a circulação dos trens está interrompida em virtude do sindicato dos empregados não estar cumprindo a liminar emitida pela Justiça do Trabalho". Os ferroviários também deixaram um alerta: "Senhores usuários, a estação está fechada no dia de hoje. Greve dos Ferroviários. Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana".

A prefeitura de São Paulo colocou nesta quinta-feira todos os 15 mil ônibus disponíveis em circulação. Ônibus gratuitos estavam disponíveis nas estações afetadas pelas greves, porém, com filas intensas a partir das 6h.