Com greve da CPTM, lentidão chega a 150 km nas vias de São Paulo

A cidade de São Paulo registrou pelo menos 150 quilômetros de lentidão na manhã desta quinta-feira. O trânsito sofreu reflexos da greve dos ferroviários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que afetou quatro linhas e atingiu diretamente cerca de 1,5 milhão de usuários. Devido à paralisação, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) suspendeu o rodízio de veículos durante o dia de hoje, o que também contribuiu para deixar o trânsito lento.

A zona oeste era a mais afetada por congestionamentos, com 49 quilômetros de lentidão por volta das 11h10. A zona sul tinha 42 quilômetros de congestionamentos, e a zona norte tinha 32 quilômetros de trânsito lento.

De acordo com a companhia, trens circulam nas linhas 7-Rubi (Luz-Jundiaí), 8-Diamante  (Júlio Prestes - Itapevi), 10-Turquesa (Brás - Rio Grande da Serra), 11-Coral / Expresso Leste (Luz - Guaianazes) e 12-Safira (Brás - Itaim Paulista). Outras linhas, porém, não funcionam e contam com o serviço do Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese) para diminuir os transtornos. São os casos das linhas 9-Esmeralda (Pinheiros - Grajaú), 11-Coral (extensão de Guaianazes a Estudantes) e 12-Safira (entre as estações Itaquaquecetuba e Poá e entre Itaquaqueceteuba e Itaim Paulista).

Ao todo, 95 ônibus da operação Paese servem aos usuários da Linha 9, e 60 trabalham na Linha 12, segundo comunicado da CPTM. A decisão de entrar em greve foi tomada em assembleia por volta das 20h de quarta-feira pelos sindicatos dos trabalhadores em Empresas Ferroviárias de Transporte de Passageiros da Zona Sorocabana e dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona da Central do Brasil.