RS: incêndio atinge 3 mil hectares de reserva; ICMBio promete 3º avião

A situação ainda é crítica na Estação Ecológica do Taim, no sul do Rio Grande do Sul, quatro dias depois do início do incêndio de grandes proporções que atinge a reserva. Segundo estimativas do coordenador da área, Henrique Ilha, 3 mil hectares já foram atingidas pelas chamas, que ainda se propagam em direção ao oceano. 

Um dos empecilhos para o trabalho de combate ao incêndio está na falta de estrutura do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão do governo federal responsável pela gestão da área, para combater o fogo. Em 2008, outro incêndio devastou cerca de 4,7 mil hectares da área.

Como não conta com equipamentos próprios, o instituto contratou uma empresa que enviou duas aeronaves, com capacidade de despejar cinco mil litros de água. O problema é que houve atraso na chegada no reforço, previsto para quinta-feira, e os dois veículos só entraram em operação completa neste sábado – um deles chegou a fazer um voo ontem, mas por apenas uma hora.

Segundo Henrique Ilha, a empresa, que enviou as aeronaves da Bahia, alegou problemas climáticos e de burocracia para o atraso. Já na estação, o problema para iniciar os voos foi as condições da pista de pouso, que de acordo com os pilotos apresentava riscos.

Neste sábado, o coordenador solicitou apoio do governo do Estado, que enviou um helicóptero para auxiliar no trabalho. Um pedido de um novo avião também foi feito ao ICMBio, mas ainda não há previsão de quando estará disponível. "Fiz essa solicitação, que foi aprovada, mas não sei quando chega depois de tantos atrasos das outras duas (aeronaves)", lamentou Henrique Ilha.

O helicóptero começa a atuar amanhã, enviando brigadistas diretamente para a área atingida para combater o incêndio por terra. "Hoje pegamos muito vento a partir das 10h, mas com as duas aeronaves conseguimos evitar que as chamas se expandissem para o norte. O problema é que não sabemos quando vamos conseguir controlar os focos que avançam em direção ao mar", afirmou.

A suspeita é que um raio tenha provocado o fogo na terça-feira, já que atingiu uma região de difícil acesso. Abrangendo uma área de 11 mil hectares, o Taim é um grande viveiro natural de animais, como capivaras, ratões, jacarés, tartarugas, tachã e garça-vaqueira, entre outras, e vegetais, distribuídos em banhados, campos, lagoas, praias arenosas e dunas litorâneas. A região abriga diversos ecossistemas e possui alto valor ecológico para pesquisas e experimentos.