Polícia federal vai restringir o uso de 'grampos'

Abusos anteriores originaram decisão de diretor-geral 

Após ver operações serem anuladas por violação de direitos individuais, a Polícia Federal defende um novo padrão de investigações, que faça menor uso de técnicas invasivas como as escutas telefônicas. A afirmação é do diretor-geral da instituição, Leandro Daiello Coimbra, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo: "grampo só em último caso", declarou Coimbra, que  chefiava a Superintendência Regional da PF em São Paulo em 2008 e 2009, quando foram deflagradas no Estado as operações Satiagraha e Castelo de Areia, operações que, de acordo com a Justiça, abusaram de técnicas invasivas, como escutas telefônicas e quebra de sigilos.

"As críticas foram injustas", analisou Coimbra, que alegou que, na época, os inquéritos com interceptações eram minoria -0,5%. Eele explicou, ainda, que foi dada uma orientação para maior "seletividade" no pedido de prisões, porque um número excessivo de detidos pode tumultuar inquéritos e ações judiciais. Outra nova medida, por maior agilidade, é a de que, se surgirem políticos ou outras pessoas com foro privilegiado nas apurações, as informações sobre eles devem ser separadas logo no início para envio aos tribunais competentes, que abrirão procedimentos investigatórios próprios

Terra