Governo federal negocia a liberação de R$ 112 milhões para Petrópolis

A prefeitura de Petrópolis negocia com o governo federal a liberação de R$ 112 milhões para obras de recuperação e prevenção contra os efeitos das chuvas. Em reunião com a presidente Dilma Rousseff, na Catedral da cidade, após missa pelos 33 mortos depois dos temporais da semana passada, ficou acertado que o prefeito Rubens Bomtempo (PSB) irá a Brasília na quarta-feira, para nova reunião. A expectativa é que R$ 12 milhões já sejam liberados para ações emergenciais, que englobam limpeza da cidade e assistência à população desalojada.

Outros R$ 100 milhões estão sendo pleiteados para obras de reconstrução de áreas afetadas e de prevenção. Os projetos, que ainda serão apresentados ao governo federal, incluem a construção de muros de contenção, demolições de casas em áreas de risco, retirada de entulho e colocação de telas vegetais em encostas, entre outras ações.  

“Tudo está sendo quantificado. Temos um passivo enorme, não se resolve tudo em quatro anos. É um trabalho de longo prazo. Temos 15 mil famílias, ou 50 mil pessoas, em áreas com algum tipo de risco”, afirmou Bomtempo.

Na reunião, Dilma acenou com apoio do governo federal para o projeto de compra assistida de casas, que já é feito pelo governo do Estado. Nessa modalidade, é feita uma medição do valor da casa de um morador em área de risco. A partir daí, ele tem sinal verde para procurar outro imóvel, dentro de um valor semelhante. Ele apresenta a casa desejada, e o governo verifica se o valor é procedente, e se o imóvel não está em área de risco.

Segundo o secretário estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc, o governo federal não trabalha com essa modelagem. Utiliza apenas o “Minha Casa, Minha Vida”. Mas deve abrir uma exceção para a região serrana do Rio.

“A presidente bateu muito na tecla de que as pessoas devem ser removidas das áreas de risco, mas não podem voltar logo depois. Ela está insistindo nisso”, comentou Minc.