SP: testemunha afirma que atropelador invadiu ciclofaixa em alta velocidade

De acordo com uma das testemunhas ouvidas pela polícia, minutos antes de atropelar o ciclista David Santos Souza, 21 anos, na avenida Paulista no último domingo, o estudante Alex Siwek, 21 anos, transitava com seu carro dentro da ciclofaixa, em alta velocidade e cantando pneu "feito maluco". As informações foram dadas pelo psicólogo Felipe Farinelli Lima Brito, 33 anos, que estava em um táxi por volta das 5h30 no dia do acidente, próximo à Augusta, quando um Honda Fit para ao seu lado em um semáforo da Paulista chamou sua atenção. "Quando abriu o sinal, ele arrancou igual maluco. Cantando pneu e acelerando. E começou a fazer zigue-zague, entrando e saindo da ciclofaixa. Passou por cima de alguns cones", contou. As informações foram publicadas no jornal Folha de S. Paulo. 

Após perder o veículo e vista, o psicólogo percebeu a movimentação provocada pelo atropelamento. "Vi o ciclista no chão, ensanguentado. Uma pessoa fazia massagem cardíaca nele", relatou. Brito então questionou às pessoas no local se o carro que provocou o acidente havia sido um Honda Fit e elas afirmaram que sim. Ele disse que não parou para socorrer David porque havia muita gente fazendo isso, mas ligou para o serviço de emergência. Ao saber do caso, se apresentou espontaneamente à polícia para fazer seu relato. O advogado de Alex Siwek, Pablo Naves Testoni, disse que as afirmações da testemunha são subjetivas e que, se o seu cliente tivesse acelerado desde a Augusta, a ação teria sido flagrada por alguma câmera da avenida. "Não tem nenhum registro disso", afirmou.