PF de SP recusa inquérito para apurar ligação de Daniel Dantas ao mensalão

A Polícia Federal em São Paulo recusou o inquérito que apura suspeitas de que o grupo Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas, teria ligações com o escândalo do mensalão. O inquérito fazia parte de uma série de apurações complementares ao processo julgado no ano passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e diz respeito a suspeitas de que o grupo fez doações ilegais ao PT por meio do publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza, condenado a mais de 40 anos de prisão pelo STF pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa e peculato. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

A respeito das suspeitas em relação ao Opportunity, segundo o jornal, a PF de São Paulo concluiu que o caso deve ser investigado em outra cidade e, assim, remeteu-o à Justiça para que um novo local seja escolhido. A PF citou três capitais onde o grupo teria maior atuação e onde as investigações poderiam continuar: Rio de Janeiro, onde ficam a Brasil Telecom, atual OI Celular, e o Banco Opportunity; Belém, sede da Amazônia Celular; e Belo Horizonte, sede da Telemig Celular e domicílio de Marcos Valério e de suas empresas. 

"No caso ora examinado, trata-se de investigar elementos de prova que confirmem que as empresas Brasil Telecom, Telemig Celular e Amazônia Celular, que pertenciam ao Grupo Opportunity, aderiram ao esquema criminoso montado pelo empresário Marcos Valério", diz o delegado Rodrigo Adriano Sandre, da Corregedoria da PF paulista. 

"O certo é que não existe nenhum elemento nos autos que indique, por ora, que a consumação dos possíveis delitos tenha ocorrido no Estado de São Paulo", argumentou o delegado.